sexta-feira, 30 de abril de 2010

Renascer

amarrada às sombras
e diariamente
à espera de
como o sol
renascer
sábia me torno
num transtorno de gestos
e perigosamente em teu redor
recupero a fé
e reencontro o verbo.

hoje troco
sem hesitar
a fusão pela função
a posse pela paz
a guerra pelo riso.
e o amor faz-se a caminho
sem ansiedade
mas ainda
de pé,
em desalinho brando.

hoje
o meu coração
despenteia-se de novo.

1 comentário:

Narcisa D'Almeida disse...

:) Querida!

O que eu gostei de ler este poema, pelo tanto que ele significa para ti e para esta nova fase na tua vida.

Fico feliz!!

Beijo